GOVERNO DO ESTADO DE ESPÍRITO SANTO - TRIBUNAL DE JUSTIÇA (2006)

Este estudo visa projetar o impacto econômico para o Estado e para a Sociedade Civil com a implantação da Justiça Inovativa no Estado do Espírito Santo.

Para isto foram analisados três contextos diferentes da Justiça no Estado: a Justiça Comum, tendo como base o ano de 1994; os Juizados Especiais (Criminal, Cível, e a Justiça Volante); e a Justiça Inovativa. A forma inovadora é aquela onde foram implantadas ferramentas e soluções de tecnologias da informação e comunicação (TICs) para tornar mais eficiente, eficaz e transparente a execução das atividades do Poder Judiciário do Estado do Espírito Santo.

A base metodológica utilizada foi o ABC (Activity-Based Costing), ou custeio baseado em atividades. Este método se mostra extremamente eficiente para analisar custos e avaliar impactos econômicos de diferentes processos conduzidos dentro da esfera da administração pública. Uma vez custeadas as atividades, a análise BINPS® mostrou o retorno projetado para o investimento em TIC pretendido na implantação do projeto da Justiça Inovativa do Estado do Espírito Santo.

A economia para o Estado na realização de um processo na Justiça Inovativa se comparado à Justiça Comum é de 33% nos custos totais. Já para o cidadão, a economia na realização de um processo na Justiça Inovativa se comparado à Justiça Comum é da ordem de 62% nos custos totais.