CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO (2008)

O foco deste projeto foi estabelecer uma correlação entre as políticas Anticorrupção e de Governo Eletrônico, defendidas pela Dra. Florencia Ferrer.


A Estratégia de Governo Eletrônico atendeu uma necessidade específica, ou seja, a possibilidade de ir além de mensurações subjetivas e pesquisas sobre a percepção da corrupção. Quando partimos do pressuposto de quanto maior o número de atividades manuais e desnecessárias, que não agregam valor, maior a chance de erros, desvios e práticas de corrupção. O Índice de Aderência à Governo Eletrônico (IA e-Gov) reflete esse conceito utilizando uma análise processual, clara e objetiva por meio de uma mensuração fundamentada por estágios de Governo Eletrônico.

Além da iniciativa da CGU e da Embaixada Britânica, a comprovação dos conceitos defendidos na Estratégia e pelo IA e-Gov foi realizada por meio de um estudo de caso. Foi analisado o processo de aprovação de convênios da Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social (SECIS) vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e o processo estruturador do programa Bolsa família, do Ministério de Desenvolvimento Social (MDS).

A metodologia desenvolvida foi apresentada na II Oficina Internacional de Mensuração do Fenômeno da Corrupção, realizada em março de 2009. Houve uma unânime aceitação por parte de acadêmicos da Fundação Getúlio Vargas – FGV, Universidade de São Paulo – USP, Pontifícia Universidade Católica – PUC-RJ, Universidade de Brasília – UnB, Universidade de Oxford, Universidade de Harvard e Universidade da Califórnia.